Barragens e seus impactos psicossociais

Autores

Daniele Almeida Duarte
Universidade Estadual de Maringá - UEM
https://orcid.org/0000-0002-2092-0432
Denise Kloeckner Sbardelotto
Centro Universitário UniFatecie
https://orcid.org/0000-0001-5693-4986

Sinopse

Esta obra reúne textos de pesquisadores de diversas áreas de conhecimento e atuação. O que há em comum entre eles é o debruçar-se sobre o universo das barragens. De diferentes ângulos revelam as distintas repercussões sobre as comunidades e populações afetadas por estas estruturas. São analisados os efeitos macro e microssociais. Simbólicos e concretos. Individuais e coletivos. A partir de cada uma dessas dimensões, são elaboradas ponderações atentas acerca desse fenômeno, o qual possui complexidade e singularidade capazes de gerar consequências imediatas e a longo prazo.

Na história do Brasil os empreendimentos que fazem uso de barragens, seja para viabilizar instalações hidrelétricas seja para conter os rejeitos oriundos do beneficiamento de minérios, não são recentes. Embora as referidas estruturas resguardem diferenças concernentes à natureza econômico-produtiva, possuem convergências em sua gênese social e política ao causar impactos nocivos que se estendem para os seres humanos e ao meio ambiente.

Para compreender isso, a cada capítulo que o/a leitor/a percorrer, encontrará a polifonia das vidas que clamam para serem ouvidas acerca das agruras vividas durante todo o processo de concepção e execução desses empreendimentos – desde o momento de seu planejamento, da instalação até o seu rompimento. Em qualquer uma dessas situações, a história de vida das comunidades e populações expostas ou atingidas pelos riscos dessas estruturas, é radicalmente transformada.

Um jogo de forças impetuoso passa a delimitar novas fronteiras territoriais e existenciais. Quem fica e quem sai. Quem ganha e quem perde. Os projetos de vida dão lugar ao projeto econômico neoliberal em solo brasileiro. Nesse percurso, não há negociações equânimes, tampouco processos decisórios e participativos igualitários entre as partes envolvidas.

Diante dessa realidade, entram em cena nesse livro os estudos voltados a esse tema, cumprindo não somente uma postura científica que expressa rigor acadêmico, mas também social e ético-política ao reverberar as vozes das pessoas atingidas por barragens e mobilizadas para lidar com seus efeitos devastadores. São populações ribeirinhas, comunidades e trabalhadores/as que tiveram sua atividade usurpada ou cessada pelas novas condições de existência; trabalhadores/as que sofreram com o acidente de trabalho ampliado; trabalhadores/as acionados para atuar com desastres efetivados e aqueles/as que atuam na ponta, dia a dia, nos equipamentos socioassistenciais para lidar com as mazelas de quem sofre/sofreu o processo de expulsão de seus modos de vida. Percebemos, nesse cenário que as diferentes barragens e etapas de sua concepção resguardam similaridades com a vivência da catástrofe acerca de seus desdobramentos que acometem histórias de crianças, jovens, adultos e velhos que se imiscuem à lama, poeira e concreto. Nesse percurso, as resistências e enfrentamentos junto aos movimentos sociais, organizações de base, lideranças locais e distintos coletivos são fundamentais para confrontar o desamparo e a morte – seja de si, seja da memória.

Ansiamos que a cada linha aqui registrada possamos enquanto sociedade descortinar que junto à história de barragens estão enredadas as histórias de pessoas e comunidades que tiveram seus modos de existência silenciados e desmantelados. Urge avançar para um debate público que reveja os rumos políticos, jurídicos e econômicos trilhados na construção de barragens no Brasil com a finalidade de promover com o modelo de progresso e desenvolvimento – prometidos por esses empreendimentos – a garantia da cidadania, da existência digna, humana e ambiental resguardadas. Para isso, é preciso questionar o modelo de Estado mínimo preconizado pelo capital financeiro internacionalizado, o qual não possui "moradia fixa”, mas onde ele se instala, mesmo que momentaneamente, não deixa de produzir efeitos concretos que alcançam corpos, sonhos e esperanças ao alterar paisagens, ecossistemas e territórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Almeida Duarte, Universidade Estadual de Maringá - UEM

Doutora em Psicologia e Sociedade, na linha de pesquisa Subjetividade e Saúde Coletiva, pelo programa de pós-graduação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP/Assis. É docente do curso de Psicologia da Universidade Estadual de Maringá - UEM. Com ênfase em Psicologia Social e do Trabalho tem atuado nos seguintes temas: o trabalho na contemporaneidade; a relação trabalho e subjetividade; Políticas Públicas em Saúde do Trabalhador; o processo de precarização das condições e relações de trabalho. Integrante do grupo de pesquisa (CNPq) "Laboratório Interinstitucional de Subjetividade e Trabalho" - LIST e do "Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Práticas sobre a Relação Homem e Trabalho" - NUHTRA.

Denise Kloeckner Sbardelotto, Centro Universitário UniFatecie

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG (2009), Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP (2014) e Pós-doutora em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE (2017). Atualmente é professora do Centro Universitário UniFatecie e cursa Pós-doutoramento na Universidade do Porto (UPorto – Portugal). E-mail: deniseklsb@yahoo.com.br

Downloads

Publicado

26/09/2030

Licença

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.